Friday, March 1, 2013

Mensagem

Este poema interrompido
ficou escrito num guardanapo de papel
do café em que todos no encontrávamos
para falar da Revolução.
Ao arrumar livros, caiu-me hoje o poema nas mãos
e refez-se por um momento a máquina do mundo,
neste eixo de quarenta anos.   

15 comments:

  1. sim, por vezes dos livros arrumados nas estantes caem papeis inesperados que lá metêmos há anos e que julgávamos perdidos ou de que nos esquecêmos. assim, uma carta de alguem a anunciar-nos uma triste noticia, ou um apontamento, ou um poema do tempo de falar da revolução, não interessa, era deduz-se o livro que estava a ser lido no momento de então, e normalmente esses papeis assim continuam no livro que os acolheu.

    ReplyDelete
  2. Meu caro Alcipe sinto aí uma mistura de nostalgia e amargura.
    Se assim for, creia que o compreendo. O meu inabalável optimismo vem sofrendo rudes golpes!

    ReplyDelete
  3. Lúcida (ainda), a velha senhora parece não ter ilusões acerca das suas rimalhices, coitada:

    eu e meu poema
    meu poema e eu
    que ninguém nos tema
    não somos problema

    meu poema é rima
    sopram-lhe de cima
    desapareceu
    e a velha morreu

    ReplyDelete
  4. Oh camarada Senhora Dona Velha, nada de morrer agora, se faz favor. Isto vai aquecer....

    ReplyDelete
  5. A Velha Senhora tinha tomado Alvarinho para Senhoras e julgou que estava a encontrar o Alvarito da Economia. Com a idade acontece...

    ReplyDelete
  6. "levantado do chão" o teu poema
    ganha asas de triste actualidade
    que cada maré de hoje seja um tsunami
    de coragem e de grito à liberdade

    A razão há-de ter de novo força
    antes que seja demasiado tarde...

    ReplyDelete
    Replies
    1. Bom poema para hoje, dia 2 de Março!

      Delete
  7. Senhor Embaixador Poeta se me permite
    dedicado à nossa velha Senhora

    Oh querida amiga

    Dos sindromes de abstinência
    e dos sonhos de outrora
    reinventam-se da pertinência
    renasceres sem demora

    mesmo em ressacas pungentes
    mortas por um lusco fusco
    acordam de marasmos dormentes
    coragens depois do susto

    Além disso a contraceção
    jaz no planeamento familiar
    nas liberdades sem omissão
    para a mulher se recuperar

    Ingerir uma pilula de prazer
    alvarinho pudim o que lhe aprouver
    convém na diferença de género
    uma satisfação do eterno ao efémero

    Daí que ...
    só...
    não lhe é permitido morrer
    sem a promessa de logo,
    revitalizada renascer.

    Abraço
    Isabel

    Transmontana. Pedra bolideira resistente a maduros carrascões.

    ReplyDelete
  8. Não se cala a velha senhora! Diz que se solidariza com Era uma vez, que agradece a simpatia da 'minha Isabelinha' e que:

    mas que porra é esta?
    digo solipsismos
    de poesia autista
    e logo contesta
    ele o grande artista
    com lapalacismos:
    nada de morrer
    agora é viver
    que vai aquecer

    digo rimalhice
    (de 'artista' pequena
    de velha com telha)
    soprável - lá disse:
    vem-me a grande helena
    chamar velha a velha
    juntar-me ao alvarito
    não não é bonito
    digo eu e repito

    pra rimas já dei
    hoje há é ação
    manifestação
    eu lá estarei
    a grei contra a 'lei'
    connosco os verei?
    hei??? hei!!!

    ReplyDelete
  9. Monday, October 22, 2012
    Poema interrompido (a memória de M.A.Pina)

    Se desta noite o nada nos sobrar,
    que diremos da voz que em nós calou
    e fez dos nossos gestos um esgar
    que a vergonha não viu e não poupou?

    Calemos desde já nossos poemas.
    A verdade aparece devagar
    e não liga a metáforas ou temas,
    só nos resta a imagem mais vulgar.

    Foi esta noite e o nada que nos fez.
    Interrompo o poema desta vez.

    Posted by Alcipe at 11:58 PM
    In Tim Tim no Tibete

    Lembrei-me deste poema, que também gostei muito.
    Pertinente o poema de Era Uma Vez, além de bonito.

    ReplyDelete
  10. C'est un vrai régal de venir au Tibete!

    Vive la poésie!
    Vive les femmes!
    Vive la révolution!

    ReplyDelete
  11. Errata
    Errei ao transcrever o que me ditou a velha senhora às 2:17 PM.
    Na sexta lnha, leia-se 'lapalissismos' (de Monsieur de La Palisse) e não 'lapalacismos'.

    ReplyDelete
  12. O poema de Era uma Vez já me levou às lágrimas e fez-me sair de casa.
    Bem gostava de o escrever num cartaz.Merecia ser lido e filmado.

    ReplyDelete
  13. Encantada com os poetas
    Daqui e da revolução.
    E mais ainda com os portugueses
    Que aguentam os patetas
    Que nos governam, às vezes.
    Sem senso nem razão
    E nos roubam o pão!

    É deste povo que me orgulho.
    Não da Europa que nos esfola.
    Nem da Merkel que nos engana
    Nem da América de Obama.
    Gosto é de Portugal
    Meu país, minha terra,
    Minha gente afinal.
    Vão-se estes, venham outros
    Para aliviar nosso mal!

    ReplyDelete
  14. Bem senhor Embaixador o que o seu poema interrompido faz florescer a inspiração para poemas completos de liberdade...

    "caiu-me hoje o poema nas mãos
    e refez-se por um momento a máquina do mundo,
    neste eixo de quarenta anos. "

    Sublime o alerta...

    Subscrevo também a nossa Sábia HSC.

    E deixaremos a marca da liberdade
    numa alma com sino como despertador
    que nos acorde sem dó nem piedade
    como a fome e a sede quando têm dor

    E deixaremos a marca da liberdade
    equitativa no seu espirito de missão
    em abono da única plausivel verdade
    que nos une no elo mais forte do cordão

    e deixaremos a marca da liberdade
    aos nossos filhos com o nosso exemplo
    de firmeza contra a austeridade
    e contra quem lhes quer usurpar o tempo

    E deixaremos a marca da liberdade
    mesmo a despertar na clandestinidade...

    ReplyDelete