Friday, October 4, 2013

Partilha

A palavra é metade de quem fala, metade de quem ouve (Montaigne)

Metade do que escrevo é desse leitor oculto,
esquivo e trocista, que olha para si mesmo no verso
como um espelho convexo
e me interpela sem voz,
num riso mudo.

6 comments:

  1. Meu caro Alcipe, quanta verdade nestas suas poéticas palavras...

    ReplyDelete
  2. Parece que a poesia ressuscita a 'velha senhora' e as suas rimalhices:

    oculta e esquiva eu troço sem certeza
    ao ler de fora quanto poetais
    mas entro amor quando escreveis beleza
    metade faço meu - metade ou mais

    ReplyDelete
  3. Esta Velha Senhora quando se aprimora...

    ReplyDelete
  4. uma glosa de montaigne, a partilha, mais do que da pintura, claro que o leitor gosta que lhe digam que tem 50% dos resultados, envaidece se com a atribuição, chega aliás a pensar que vai mais longe ou fundo na percepção do poema que o poeta, pois assim anda o mundo dessa sociedade, etc

    ReplyDelete
  5. Pois que um belo poema é um estimulo para o regresso da velha senhora , de quem senti muita falta até como comentadora das autárquicas...

    ReplyDelete