Monday, October 3, 2011

Em busca do tempo perdido: o banco das ostras

16 comments:

  1. Coberto agora com um pano vermelho,
    mas era ali que te sentavas, sobre o banco das ostras,
    à minha espera.

    E eu a esperar a tua espera...

    ReplyDelete
  2. A espera
    De quem espera,
    É esperança.
    A espera
    De quem não espera,
    Cansa.

    ReplyDelete
  3. Eu sou mais Stella Artois, desculpe lá!

    Ronaldo Azenha de Noisiel

    ReplyDelete
  4. Então para a próxima vez que vier aqui ao sótão, arranjarei cerveja belga para o senhor Ronaldo.

    a) Feliciano da Mata

    ReplyDelete
  5. Sol? Ostras? Rue Victor Hugo?
    Hhmmm...

    ReplyDelete
  6. Nós e Paris

    Tudo tinha chegado ao fim
    arrumava despojos em caixas de cartão
    Seladas ficariam numa cave
    onde não voltaria não

    e ali estavas tu mais uma vez
    décima ou décima primeira
    vezes sem conta
    a desarrumar a minha vida
    a pedir, a pedir não
    a suplicar
    que deixasse tudo
    mais o ressentimento
    e com um resto de alento
    fosse até Paris

    Olhei a caixa de cartão
    lacrada
    com etiqueta a dizer passado
    e a vontade a dizer presente
    e a saudade
    a gritar futuro

    cheguei cedo
    aconcheguei-me
    na palhinha da cadeira
    da esplanada preferida
    retoquei o baton
    do tom
    dos toldos de Paris
    (estava bonita, eu sei)

    esperei esperei
    chegaste
    num sorriso
    aparentemente feliz

    de súbito
    surgiu alguém
    parecia um amor antigo
    e eu em silêncio
    transparente
    e tu
    de novo ausente ausente...

    Terei sempre saudades desse amor que nunca perdurou
    O céu não quis

    a caixa de cartão já tem bolor
    a minha vida enfim mudou
    chegou
    outro amor, outra cidade, outro futuro
    e eu não voltei mais
    nunca mais
    às esplanadas de Paris

    ReplyDelete
  7. Que pena ERA UMA VEZ!

    As esplanadas de Paris
    Albergam sonhos vividos,
    Ou sonhados.
    Um de cada vez,
    Outros, em simultâneo.
    Mas são respaldo
    Da memória
    Que se anicha
    Numa cadeira
    De uma esplanada
    Em Paris.

    ReplyDelete
  8. Maria do Céu BarrosOctober 4, 2011 at 7:22 PM

    Isto não é um poema, é um filme e que filme!

    ReplyDelete
  9. Querida Helena

    Há memórias
    que doem demasiado
    não sou a protagonista
    mas o ombro e o abraço
    que segurou os insistentes desencantos
    ............
    e a palavra
    repetida e estafada
    que ajudou
    a dizer BASTA!!!

    Um dia destes
    ela vai voltar
    e ouvirá feliz alguém dizer
    "Fica-te tão bem esse baton
    e é do tom dos toldos de Paris"

    ReplyDelete
  10. As senhoras querem tomar alguma coisa? Um champanhezinho?

    a) Feliciano da Mata

    ReplyDelete
  11. Fresquinho por favor. Obrigada!!!!
    Com morangos, sim?

    ReplyDelete
  12. Le pétillement du champagne fait chanter toutes les coupes de fruits. Vous pouvez en choisir différentes sortes, y compris les pêches, les ananas et les prunes. Mais le mélange de fraises et de champagne règne en maître absolu. On peut remplacer le champagne par du vin blanc sec mousseux. Dans de vieilles recettes, une feuille fraîche de fraise des bois odorante était ajoutée dans la coupe pendant que le fruit macérait dans le champagne.

    a) Feliciano da Mata

    ReplyDelete
  13. Maria do Céu

    Um filme ou uma canção?
    Belos poemas. O que uma esplanada consegue provocar...

    ReplyDelete
  14. Louvado seja Deus, e o Inspirador...

    ReplyDelete
  15. Põe os olhos no Alcipe
    Feliciano, vê-lhe a rima!
    Ele é Stella, às vezes Lipp
    Aquilo sim! é gente fina.

    Ronaldo Azenha de Noisiel

    ReplyDelete
  16. Houve transferência geral da Malta da Rima para aqui?

    ReplyDelete