Sunday, September 2, 2012

Bernardim Ribeiro

Anda a dor dissimulada
mas ela dará seu fruto.

(Bernardim Ribeiro)

7 comments:

  1. Olhe que os frutos podem ser amargos...

    a) Feliciano da Mata

    ReplyDelete
  2. Caro Feliciano
    As dores dissimuladas, um dia tornam-se visíveis. E aí as pessoas sentem que precisam de fazer alguma coisa.
    Manifestam-se, exprimem-se e, finalmente, fazem alguma coisa em prol de si próprios e dos outros.
    Os frutos, nestes casos, são quase sempre amargos. Mas viver em dissimulação não é amargura maior?

    ReplyDelete
  3. Muito bem, cara Helena.

    a)Alcipe

    ReplyDelete
  4. A velha senhora, rimalhadeira, viajou para esquecer, voltou e viu - e ouviu e leu - , bebeu e disse... São dois-sonetilhos-dois e uma conclusão que lhe saíram com muita raiva e palavrão (omiti/disfarcei os palavrões):

    1.
    fui pra fora
    chego agora
    vejo tudo
    bem pior
    país mudo
    de estupor
    mesmo poetas
    não patetas
    sem vigor
    nada podem
    dizem eles
    contra os reles
    que nos f----
    mas que horror

    2.
    em bela estrofe
    um 'regabofe'
    (de feijões?)
    alcipe pões
    e porque não
    meu alcipão?

    não nos vem ode
    do que nos f---
    dos cavacões
    e dos coelhões
    do gasparão

    pois força então
    com regabofes
    que fazem plofes

    3.
    gritar não chega
    sou velha fruta
    mas vou à luta
    quem faz não prega
    quero ser grega

    ReplyDelete
  5. Senhor Alcipe, basta! Esta senhora rimalhadeira compromete-nos. Já vejo tremido o negócio das parabólicas alternativas, agora parece que eram só cenários, levei uma descompostura da Senhora Engenheira e não quero mais confusões. Velha rimalhadeira: comporte-se!

    a) Feliciano da Mata, produtor de cenários

    ReplyDelete
  6. Se bem compreendo algum embaraço do respeitável Sr. Sr. Feliciano da Mata, fico desarmada com a espontaneidade da velha Senhora, é assim mesmo.

    Penso que fez clivar a dor dissimulada para a dor de cotovelo interpretação que a levou a este comentário digno de assertividade e de exclamações (Pelo menos transmontanas)
    Aí está uma mulher que quase parece um homem...

    Agora poetas sem vigor ?!...

    Decerto ainda não sabe ou não lhe disseram da metamorfose, ante estreia ou revelação de
    Feliciano da Mata, rima a preceito com tom e jeito no versiculo "Cimeiras e cúpulas" em duas ou três coisas, vigor implicito(ou dissimulado)é o que não falta cara velha amiga, diria até compativel com o seu...

    ReplyDelete