Saturday, August 6, 2011

Citando Apollinaire e tudo


Entre a luz e a chuva
que recorda o outono que virá
- como na "vanitas" barroca as caveiras
pintadas nos lembram a precariedade.

Tudo é precário. Abram-me esta porta
a que eu bato a chorar
e deixem o vosso dinheiro escondido nas Ilhas Afortunadas.
Elas também irão afundar
e o Sol um dia esfriará
sobre os mares que as cobriram.
Tudo é precário.
A vida é variável e distancia-se de nós
cada dia:

"Ouvrez moi cette porte où je frappe en pleurant:
la vie est variable aussi bien que l'Eurype".
(GUILLAUME APOLLINAIRE)

4 comments:

  1. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  2. Só vir aqui poderia,
    Hoje, compensar-me.
    Dia duro, solarengo,
    Espesso e esgotante de trabalho.
    Que apesar de ser a gosto, me lembra Inevitavelmente a precariedade.
    De mim, dos meus, sobretudo dos meus,
    Quando nem sempre
    A porta se abre para eu chorar...

    ReplyDelete
  3. Helena Sacadura CabralAugust 9, 2011 at 12:51 PM

    Meu caro Alcipe
    Quando postei a primeira vez o "Inevitavelmente" não apareceu na linha de baixo. Julguei que me tinha enganado. Apaguei e repeti. Mas aconteceu o mesmo. Será que há aí um vírus ditador?
    Homessa! :))

    ReplyDelete
  4. Aqui não há ditaduras, mas vírus quem poderá sabê-lo? Não mexi, é claro, no seu poema, de que gostei bastante. Algum erro desse lado? Saudações amigas
    Alcipe

    ReplyDelete