Wednesday, September 4, 2013

Datas

Sendo hoje o meu (nosso, estas coisas fazem-se a dois) aniversario de casamento, torna-se-me mais nítido o quão relativo se faz um percurso profissional no balanço total da nossa vida. No romance "O Leopardo" o príncipe Salina, na hora de morrer,  conclui que a soma dos momentos com sentido que teve durante toda a sua vida preencheriam no máximo o tempo de um dia. Nao poderei eu dizer o mesmo. Como no poema de Rene Char que um dia te mandei:

Merci d'être sans jamais te casser
Iris, ma fleur de solitude!

10 comments:

  1. Parabéns!

    Isabel BP

    ReplyDelete
  2. Penso que os santos da casa também fazem milagres , permita-me lembrar este poema, é diferente claro mas tão bonito como o do René Char
    face à data, escolhi os versos que considero mais adequados...
    Acredito que a Sua Mulher também gosta deste Poema

    Das Palavras

    As palavras mais simples
    foram as que te dei;
    o amor não sabe outras,
    só estas fazem lei.
    As palavras de uso
    mais comum e vulgar
    são as que amor conhece.
    (...)
    E todos os mistérios
    que se fazem promessa
    e se perdem nos versos
    e dos corpos nasceram
    são aqui cerimónia
    evidente e secreta
    nas mais simples palavras
    que conhece o poeta.

    Luis Filipe Castro Mendes, in "Os Amantes Obscuros"

    ReplyDelete
  3. A ambos se deve esse percurso andado. É um facto - que só mais tarde percebemos - que a vida familiar vale muito mais do que a profissional. E que encontrar o amor é quase uma dádiva divina.
    Eu só o encontrei na segunda fase da vida...

    ReplyDelete
  4. Aí vai com muito carinho uma "coisa minha" que publiquei há uns anos e que gosto de oferecer aos amores de vida inteira

    ETERNIDADES
    Foi no teu olhar que encontrei sempre a minha âncora
    mesmo quando eras tu a desencadear os vendavais

    a minha barca quase se afundava
    coberta de ondas tremia
    e depois se alevantava
    mais forte, mais bela, mais segura

    e quando fui eu a inventar as tempestades
    e fiz tremer o casco dos navios
    e nascer uma impensável escuridão
    de rastos e olhar vadio
    atravessei o nevoeiro
    perdi a noção do norte e das estrelas
    esqueci mesmo o bater do coração
    à procura de um arco íris

    e de novo
    o teu olhar
    a eterna razão que me trazia à tona de água

    Então nadei até ao cais
    exausta confusa arrependida
    seguindo o único farol que me traz de volta a casa
    ilumina o resto do caminho
    e continua a dar sentido à minha vida

    ReplyDelete
  5. uns têm os anos de casamento a 6, os votos de felicidade e parabens, outros p ex a 10.
    o poeta, os misterios, a cerimonia evidente e secreta, as palavras, etc etc

    ReplyDelete
  6. Obrigada querida homónima. Os amores de vida inteira são feitos de muitas cores e nevoeiros...(eu acho)

    ReplyDelete