Saturday, November 5, 2011

Fala da Índia


- I spent four years in India.
- So, why did you leave?

(diálogo com um colega indiano)


Foste-te embora
antes de eu começar a falar contigo.
Como um rapazinho malcriado,
que sai de casa de uma velha senhora
antes mesmo de ela lhe dirigir a palavra,
tu não entendeste nada. Mas isso não tem importância,
porque ninguém me entende
a não ser os meus povos,
os meus rostos, as mil cabeças que surgem
do rio emudecido.
O que me ofende é que tu,
tu, pobre de ti,
tenhas partido
antes de eu
ter decidido dirigir-te a palavra.


8 comments:

  1. Ai! Caro Alcipe,
    A maioria de nós parte antes
    que o outro nos tenha dirigido a palavra...
    E nem sequer ficamos ofendidos.
    Não existimos.
    E, não existir, é uma das maiores tragédias do ser humano.
    Porque viver é bem menos do que existir!

    ReplyDelete
  2. Não é terrível, esta sensação de que partimos sem chegarmos a ouvir a palavra que nos era dirigida?

    ReplyDelete
  3. É sim. Costumo dizer que não quero viver nem morrer com palavras por dizer ou gestos por fazer...Por isso digo sempre o que sinto e tento mostrar o que quero.
    Sem medos. Sem vergonhas.

    ReplyDelete
  4. Maria do Céu BarrosNovember 8, 2011 at 1:51 PM

    Há um momento na vida para cada coisa, eu acredito nisso.
    Por isso às vezes mais vale um dia antes que um minuto depois, não é?

    ReplyDelete
  5. Volto
    mas trago os braços caídos
    e as mãos cheias de nada
    a palavra tímida
    e mal articulada

    Perguntais-me sem amor
    o que trazeis senhora no regaço
    responderei apenas
    são rosas meu Senhor
    rosas e cansaço...

    ReplyDelete
  6. "As mil cabeças que surgem
    do rio emudecido."In alcipe

    No entanto no correr da pena urge a palavra que liberta a asfixia da emoção...

    ReplyDelete
  7. Maria do Céu BarrosNovember 11, 2011 at 8:34 PM

    Que bom ter a ERA UMA VEZ de volta e não acho que traga as mãos vazias

    ReplyDelete
  8. Cher Tim Tim,
    Sinto tão bem a sua amargura.
    A minha grande magoa foi ter partido de Lisboa sem que ninguém me disse-se fica. Ainda hoje espero a palavra que (não) me foi dirigida.
    Faço como a Helena, digo, sem vergonhas, gosto de ti, tenho saudades, gostava de voltar, gosto da tua luz, do teu cheiro, do teu vento, do nosso mar.

    Maria do Céu, é um prazer ler ERA UMA VEZ. Alem de poemas traz também rosas para oferecer.

    ReplyDelete