Sunday, August 8, 2010

Um soneto ao Algarve para os meus amigos de Poço Barreto

O silêncio repousa sobre a terra,
quando a noite desiste de ser mar
e o coração da gente mais se aferra
à âncora perdida sem lugar.

Embarcação errante a tua vida,
inteira cabe nua neste mar:
que fizeste de ti, canção esquecida
sem sal nem búzios soltos a ecoar?

O erro sem discurso dos meus anos
deu-me estes versos só para partilhar
com quem viveu os mesmos desenganos
e o mesmo porto teve que deixar.

Dedico este soneto a uma terra
que em âncora se faz quando desferra...

6 comments:

  1. "Graças, Marília bela, graças à tua estrela..."
    Lenabreu

    ReplyDelete
  2. "Graças, Marília bela, graças à tua estrela..."
    Lenabreu

    ReplyDelete
  3. Como sempre, muito bom.
    JMCPinto

    ReplyDelete
  4. Que bonito
    Isabel

    ReplyDelete
  5. não é um soneto rigoroso, italiano ABBA ABBA CDC DCD. Tambem não é um soneto inglês.
    Mas é um bonito e bom soneto, ligando a terra e ao mar com um espectador protagonista entre aos 2 elementos

    ReplyDelete
  6. O erro sem discurso dos meus anos é um belo verso sobre o qual muito se poderia pensar, reflectir. Mas seguro que são anos sem erro e com um discurso.

    ReplyDelete